Os minutos!

Os minutos!

Todos nós vivemos do que já fizemos, já pensamos, já construímos, já tentamos, e hoje, estamos aqui usufruindo o conquistado e ao mesmo tempo somando os minutos presentes aos minutos passados para usufruir no futuro.

Vivemos a cada minuto desperto um bilhão de minutos esquecidos, acumulados, guardados na mente, na alma e no coração, importantes minutos criadores de nossas vidas.

Minutos de aprendizado, de ensino, de amor, de raiva, ódio, ciúme, alegria, satisfação, medo, conhecimento, prazer, orgulho e muito mais, todos vividos desde o nosso nascimento, depositados em cada ato, pensamento e atitude que manifestamos hoje.

Somos o resultado do que fizemos até hoje e não o que o acaso fez com a gente.

O acaso somos nós e nossa centelha brilha mais ou brilha menos conforme nossa conduta moral, ética, profissional, espiritual e humana.

Nós fazemos o acaso, fazemos a sorte, a falta dela, o amor, a paz, as guerras e o desastre de nossa época, somos nós, mais ninguém.

Jamais alguém viveu ou viverá os seus minutos, eles são só seus, só você pode e poderá vive-los, até sua morte. Portanto, não terceirize a responsabilidade aos outros ou a sorte pelo resultado de sua vida. 

A vida é nossa propriedade e somos nós que decidimos o que iremos fazer com ela, ninguém mais. Alguns chamam isto de livre arbítrio.

Pense um instante nos minutos que viveu, reflita sobre eles e mude se achar que é preciso, se não, tudo bem, mas tenham paciência, pois se somos o resultado de nossos últimos cinco anos, temos que esperar um pouco para perceber a mudança futura que a mudança destes minutos presentes provocará.

Sem medo, nem por um minuto!