Entre a dúvida e o medo

Entre a dúvida

e o medo

Nós, empresários brasileiros de pequenas agências, vivemos sempre sob a sombra do binômio acima.

Precisamos passar segurança e confiança aos nossos clientes de que a campanha, o programa, a ativação, seja o que for, será vencedora, que vamos atingir os objetivos e será o máximo. O dinheiro dele não será desperdiçado!

Para tanto, obviamente, começamos por uma grande ideia, um bom planejamento que tem de ser adequado ao público-alvo, etc. etc…

O problema é quando o cliente nos pede uma ação desruptiva, isso mesmo, agora virou moda; campanha desruptiva, ação desruptiva, evento desruptivo, whatever.

Aí é que mora o perigo, pois temos tido essa curiosa experiência de clientes pedirem algo totalmente novo, “desruptivo” e quando apresentamos a proposta, vemos quase sempre a mesma reação: bárbaro, grande ideia, genial, mas vocês garantem que isso vai dar certo? Vocês têm algum benchmarking pelo menos parecido?

– Olha aí a dúvida aparecendo novamente.

Claro que se a proposta é inteiramente nova não existe antecedente, vale aqui o novo olhar, o novo planejamento e o profundo conhecimento do negócio do cliente para que não falemos “marcianês” e apresentemos algo inteligente, novo e exequível (palavra mágica).

– Centenas de horas de trabalho, dezenas de grandes ideias desruptivas, mas não exequíveis, são apresentadas a todos os clientes, todos os dias no Brasil.

Tudo isso parece óbvio, mas, infelizmente, não é, pois cada “desruptividade” proposta, gerou custos para a agência e entrega de inteligência gratuitamente para o cliente, sempre.

Talvez você esteja perguntando: e o medo? O medo é que se não quebrarmos esse ciclo o ciclo nos quebrará.

– Como quebrar esse ciclo? Simples: competência, arrojo e inovação com boa dose de gestão de resultados.

Passamos por uma década onde vemos o planejamento que não sabe planejar, o “atendimento” que nunca se torna executivo de negócios e sempre será o subserviente sem cabeça, o desenvolvedor que desenvolve um app que só dá pau, o relatório sem análise que não serve para coisa alguma, o especialista em redes sociais sem qualquer técnica, enfim, é o ciclo da mediocridade se proliferando na velocidade da luz.

Dica para vocês, escolham uma especialidade ou duas e sejam os melhores do mercado, o posicionamento de sua marca ou de sua agência é crucial para seu crescimento. Contrate uma consultoria de marketing verdadeira ou que pelo menos saibam que atuamos com cérebro, olhos e coração. O cérebro e o coração quase nunca nos enganam, mas os olhos sim. Muitas vezes não queremos olhar e, muitas vezes, pensamos que nos olham como queremos, e é aí que a coisa pega e descobrimos que estamos muito enganados, então é tarde demais!

Tenha medo sim. Medo de não mudar, de não sair do efêmero e ir para o absoluto, pois, para os que buscam a competência verdadeira, sempre existirá mercado, sempre existirão clientes.

O cliente merece verdades e, com elas, vocês estabelecerão anos e anos de relacionamento produtivo e lucrativo para os dois lados. Quando vocês vencerem ainda terão de ouvir que deram sorte.

Aliás, boa sorte!